CÂNCER DE BOCA E OROFARINGE

Fatores de Risco

Um fator de risco é algo que afeta sua chance de adquirir uma doença como o câncer. Diferentes tipos de câncer apresentam diferentes fatores de risco. Alguns como fumar, por exemplo, podem ser controlados; no entanto outros não, por exemplo, idade e histórico familiar. Embora os fatores de risco possam influenciar o desenvolvimento do câncer, a maioria não causa diretamente a doença. Algumas pessoas com vários fatores de risco nunca desenvolverão um câncer, enquanto outros, sem fatores de risco conhecidos poderão fazê-lo.
Ter um fator de risco ou mesmo vários, não significa que você vai ter a doença. Muitas pessoas que contraem a enfermidade podem não estar sujeitas a nenhum fator de risco conhecido. Se uma pessoa com câncer de boca e orofaringe tem algum fator de risco, muitas vezes é muito difícil saber o quanto esse fator pode ter contribuído para o desenvolvimento da doença.

Fatores que podem aumentar o risco de uma pessoa desenvolver câncer de boca e orofaringe:

Tabagismo – Fumantes são mais predispostos do que não fumantes a desenvolver câncer de boca e orofaringe. Cigarros, charutos, cachimbos podem causar câncer em qualquer parte da boca ou da garganta, bem como câncer de laringe (cordas vocais), pulmão, esôfago, rins e bexiga. O cachimbo é um risco particularmente significativo para o câncer na área dos lábios que tocam a haste do tubo. Produtos orais do tabaco (rapé, tabaco de mascar) estão relacionados com cânceres de bochecha, gengiva e superfície interna dos lábios.

Alcoolismo – O consumo de álcool aumenta o risco de desenvolver câncer de cavidade oral e orofaringe. Cerca de 70% dos pacientes com câncer bucal são alcoólatras.

Alcoolismo e Tabagismo – Alcoólatras e fumantes têm um risco muito aumentado de desenvolver câncer de boca e orofaringe em relação às pessoas que não fumam e não bebem.

Fumo Para Mascar – As pessoas que mascam betel quid ou gutka têm um risco aumentado de desenvolver câncer de boca e orofaringe.

Vírus do Papiloma Humano – O número de cânceres de orofaringe relacionados ao HPV aumentou dramaticamente ao longo das últimas décadas. O DNA do HPV é encontrado em cerca de 60% dos cânceres de orofaringe. Acredita-se que o aumento seja devido a mudanças nas práticas sexuais nas últimas décadas, particularmente ao aumento do sexo oral. O DNA do HPV é encontrado com mais frequência em cânceres de orofaringe (especialmente nas amígdalas) e menos frequentemente em cânceres da cavidade oral.

Gênero – O câncer de boca e orofaringe é duas vezes mais comum em homens do que em mulheres.

Idade – A maior incidência do câncer de boca e orofaringe é em pessoas com mais de 55 anos. Mas isso pode estar mudando com os cânceres ligados à infecção do HPV, que tendem a ser mais comuns em pessoas mais jovens.

Radiação Ultravioleta – A luz solar é a principal fonte de luz UV para a maioria das pessoas. O câncer de lábio é mais comum em pessoas que trabalham em áreas externas, com uma exposição prolongada ao sol.

Dieta – Vários estudos descobriram que uma dieta baixa em frutas e vegetais está associada a um risco aumentado de câncer de cavidade oral e orofaringe.

Sistema Imunológico Enfraquecido – Um sistema imunológico fraco pode ser devido a doenças hereditárias, pela síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS), e pelo uso de certos medicamentos, como os administrados após o transplante de órgãos. O sistema imunológico debilitado pode levar ao desenvolvimento do câncer de boca e orofaringe.

Enxerto – A doença enxerto hospedeiro é uma condição que às vezes ocorre após um transplante de células estaminais. Isto pode acontecer quando as células-tronco do doador reconhecem as células do paciente como estranhas e iniciam um ataque contra elas, afetando muitos tecidos do corpo, inclusive os da boca, aumentando assim o risco de desenvolver câncer.

Síndromes Genéticas – Algumas síndromes, como anemia de Fanconi e disceratose congênita, causadas por mutações hereditárias em determinados genes têm um risco elevado de desenvolver o câncer de boca e garganta.

Líquen – Esta doença ocorre principalmente em pessoas de meia idade. Na maioria das vezes afeta a pele, mas às vezes afeta o revestimento da boca e garganta, aparecendo como pequenas linhas brancas ou manchas. Um caso grave pode aumentar ligeiramente o risco de câncer de boca e orofaringe.

Antisséptico Bucal – Os antissépticos bucais com elevado teor de álcool podem estar associados a um maior risco de desenvolver câncer de boca e orofaringe. No entanto, esta questão é difícil de avaliar pelo fato de que fumantes e bebedores frequentes, que já têm um risco aumentado em desenvolver estes tipos de doença, são mais propensos a usar antisséptico bucal que pessoas que não fumam nem bebem.

Irritações da Dentadura – A irritação da mucosa da boca causada pelo ajuste da dentadura é um fator de risco para o câncer de boca e orofaringe, no entanto nenhum estudo detectou um risco aumentado em pacientes que utilizam prótese que abrange toda a cavidade oral. As dentaduras mal ajustadas podem reter resíduos comprovadamente cancerígenos, como álcool e tabaco.

O que é câncer de boca e orofaringe?

O câncer de boca, ou cavidade oral, é um câncer que se origina nas células das estruturas que compõem a boca; e, o câncer da orofaringe na orofaringe, que é a parte logo atrás da boca.

Muitos tipos de tumores podem originar-se na boca e na orofaringe:

• Tumores Benignos.
• Lesões pré-cancerosas.
• Tumores Malignos.

O que é cavidade oral e orofaringe?

A cavidade oral inclui os lábios, o revestimento interior dos lábios e bochechas, os dentes, as gengivas, dois terços anteriores da língua, o assoalho da boca e o céu da boca.

A orofaringe é a parte da garganta logo atrás da boca. Ela inclui a base da língua, o palato mole, as amígdalas, e a parte lateral e posterior da garganta.

Sinais e sintomas

Os sinais e sintomas do câncer de boca e orofaringe podem incluir:

  • Ferida na boca que não cicatriza.
  • Dor na boca que não desaparece.
  • Caroço ou inchaço na bochecha.
  • Mancha branca ou vermelha nas gengivas, língua, amígdalas ou mucosa da boca.
  • Ferida na garganta ou sensação de ter algo preso na garganta.
  • Dificuldade para mastigar ou engolir.
  • Dificuldade de mover a mandíbula ou a língua.
  • Dormência na língua ou outra área da boca.
  • Inchaço da mandíbula causando desconforto com a dentadura.
  • Enfraquecimento dos dentes ou dor ao redor dos dentes.
  • Alterações na voz.
  • Nódulo ou massa no pescoço.
  • Perda de peso.
  • Mau hálito constante.

É importante mencionar que muitos desses sinais e sintomas são também causados por problemas benignos, ou mesmo por outros tipos de câncer. Ainda assim, é muito importante consultar um médico ou dentista se alguma destas condições dura mais do que duas semanas, para que a causa possa ser diagnosticada e, se necessário, tratada.

Tratamentos

Após o diagnóstico e estadiamento do câncer, o médico discutirá com o paciente as opções de tratamento. É importante ter tempo e poder avaliar todas as possibilidades de terapia. A decisão por determinado tipo de tratamento leva em conta o estado de saúde geral do paciente, o tipo de tumor, o estadiamento, as chances de cura da doença, e do eventual impacto do tratamento sobre importantes funções como fala, mastigação e deglutição.
As principais opções de tratamento para o câncer de boca e orofaringe são: cirurgia, radioterapia, quimioterapia, terapia alvo e tratamento paliativo, que podem ser realizados isoladamente ou em combinação, dependendo do estágio e da localização do tumor. Em geral, a cirurgia é o primeiro tratamento para o câncer de boca e pode ser seguido por radioterapia ou quimioterapia, que podem ser administradas de forma isolada ou combinadas.

Com base no estadiamento e localização do tumor, uma equipe multidisciplinar pode ser necessária, incluindo otorrinolaringologista, cirurgião de cabeça e pescoço, radioterapeuta e oncologista. Mas, muitos outros profissionais de saúde podem estar envolvidos no seu atendimento, como enfermeiros, nutricionistas, assistentes sociais e fisioterapeutas.

É importante discutir todas as opções de tratamento, incluindo metas e possíveis efeitos colaterais, com os médicos para ajudar a tomar a decisão que melhor se adapta às suas necessidades.

Essas informações não substituem o exame clínico com médico especializado. Procure sempre avaliação médica em uma Unidade Básica de Saúde.
Fonte: Oncoguia

Dr. Luís Henrique Alvares Nucci
CRM 83850
Diretor Técnico | Chefe do Serviço de Clínica Cirúrgica Oncológica

Últimos posts

Deixe um comentário

Quem já está
participando

logo

O Move4Cancer é um novo movimento que busca engajar a sociedade através de informação e adoção de hábitos de vida saudáveis como forma de prevenção primária contra diversos tipos de câncer e, ao mesmo tempo, arrecadar recursos para o Instituto de Câncer Dr Arnaldo (ICAVC), o primeiro hospital de câncer no Brasil, que se mantém atendendo os pacientes 100% através do SUS. Com sua ajuda vamos salvar muitas vidas!

facebookinstagram

Comece a digitar e pressione Enter para buscar